É quase impossível imaginar o mundo sem o universo comics, sabemos que nem sempre foi assim o grande kaboom deste mercado foi progressivamente se expandindo, conquistando mercados e migrando de tribos, conquistando seu espaço nas telas e no coração do público jovem e adulto.

Sem dúvida uma das maiores potências revolucionárias desta indústria é a Marvel Comics, ela praticamente redesenhou os padrões dos quadrinhos e deu autenticidade a uma mídia anteriormente dita como infantil.

Hoje com 80 anos de história já desafiou Holywood, transformando gêneros literários e inovando o mercado cinematográfico. Venceu seu maior boss a falência, apostando em seus personagens como grandes oportunidades de negócio, ultrapassando a obsessão nerd para investir em públicos mais abrangentes, indo além dos tradicionais HQs.

Nem tudo se resume a glória e poder na narrativa marveliana, devido a uma sequência desastrosa de erros e rivalidades a gigante quase foi nocauteada pelo mercado.  Jack Kirby e Stan lee sempre tiveram desentendimentos, Kirby trouxe a tona em revistas, quadrinhos um lado não tão glamuroso do lendário Lee, acusando-o de não o devido crédito por suas criações, oportunista e fraude foram adjetivos utilizados por ele para descrever o editor. Em 1971 em uma revista da rival DC Comics Kirby retratou a Marvel como uma arcaica fazenda de escravos, gerenciada por um homem cheio de ganancia, manipulador que vive para satisfazer seus caprichos.

Este foi um período obscuro para a indústria dos quadrinhos revelando um seu vilão, onde artistas recebiam centavos para desenharem personagens, sem créditos ou participações nos lucros. Até os anos 90 os trabalhos eram realizados por demandas, páginas eram entregues e ponto final, onde Kirby e sua equipe não podiam nem manter seus desenhos originais, por contrato não tinham direito algum de copiar, expor ou doar sua arte.

Infelizmente os fracassos não acabam por aí, muitas decisões empresariais e comerciais equivocadas e após a produção massiva de histórias ruins e aquisições de empresas que não trouxeram lucro algum a Marvel deu início ao seu processo de falência em 1996, acumulando cerca de 600 milhões de dólares em dividas.

Após o clímax desta história, a heroína começa a sua jornada de superação com a venda dos direitos cinematográficos dos seus principais personagens, como o Homem-Aranha para a Sony por 10 milhões de dólares, X-men e Quarteto Fantástico entregues a Fox.

Em 2000 X-Men arrecadou impressionantes 300 milhões e deixou um grande marco na indústria do entretenimento, com criticas positivas e efeitos especiais capazes de representar com veracidade as aventuras dos mutantes. Logo em seguido Homem-Aranha superou o team do professor Charles Xavier com 850 milhões de dólares, neste momento os quadrinhos obtiveram a real validação hollywoodiana.

Depois destes feitos a indústria cinematográfica sucumbiu aos poderes dos personagens vindos dos HQs, afinal os lucros de bilheterias são estrondosos. Mesmo nesse panorama animador a MCU ainda estava sem seus personagens principais e não poderiam ter longas próprios, sem interferências criativas e sem ter que dividir seus lucros.

A partir desta situação desanimadora Stan Lee e Jack Kirby, começaram e revirar suas criações que somavam em torno de quase mil heróis e vilões em busca da história perfeita afim de agarrar uma fatia deste mercado.

Enfim uma das melhores escolhas da empresa aconteceu neste momento, Homem de Ferro, personagem considerado de 2º escalão, fora criado em 1963 e inspirado em um empresário excêntrico e milionário da época. A grande sacada foi investir em realismo e continuidade, desenhando minuciosamente um universo também no cinema. Confiando no cross-over entre as produções, linkando dicas e situações que só seriam exploradas nos próximos filmes, destacando seu planejamento que não visava apenas seu fiel público nerd mas sim a todos.

Em 2008 Homem de Ferro meio bilhão de dólares e ainda conquistou duas indicações ao Oscar, ressuscitando a até então conturbada carreira do ator Robert Downey Jr. Após tamanho sucesso  no ano seguinte outra gigante do seguimento a Disney não conteve esforços para adquirir o universo Marvel por 4,3 bilhões de dólares, tornando possível uma sequência extraordinária de filmes que apresentaram ao público, Hulk, Thor, Capitão América e finalmente ao ápice do fan service com os Vingadores, deixando os fãs completamente estarrecidos.

Até hoje a arrecadação do universo Marvel com seus longas gerou em torno de 15 bilhões de dólares. O incrível desempenho de vingadores guerra infinita, somou 630 milhões e tornou-se a maior estreia de todos os tempos.

Hoje já reerguido em toda sua glória, MCU conta várias subsidiárias para atender todas as suas propriedades intelectuais, que vão de HQs, revistas digitais, filmes, programas de TV, séries, games, brinquedos em parques temáticos, Action figures e uma rede de merchandising capaz de gerar faturamentos milionários com suas super narrativas. O mais impressionante é que todos esses elementos afinados em um único enredo, um mercado em ascensão e que ainda está longe de acabar.

Hey NERD, gostou deste resumão da superação da nossa amada Marvel?

Afinal…

“Com grandes poderes vem grandes responsabilidades.”  Stan Lee

Comentários